Saída

Não meninos que foram abusadas sexualmente continuar a cometer crimes sexuais?

Ao escrever esta página, queremos deixar claro de antemão que as evidências de pesquisa nos diz que sendo abusada sexualmente não faz fazer com que alguém ofender sexualmente e que a maioria dos meninos que são abusadas sexualmente não ir para cometer abuso.

No entanto, esta questão, ou não os meninos que foram abusados ​​sexualmente vai continuar a cometer crimes sexuais, continua a ser um problema sério que merece uma análise cuidadosa. Não apenas porque é importante considerar todos os possíveis fatores que contribuem para ofender sexual, mas também porque muitas vezes as discussões da "vítima de ciclo criminoso" não explorar adequadamente o impacto da discussão pública desinformada sobre a vida dos homens submetidos a abuso sexual.

Infelizmente, este tema específico tem sido caracterizada por desinformação e tratamento simplista. Existe uma crença comum de que sendo abusadas sexualmente "causas" um menino para se tornar sexualmente abusivo. Como resultado, muitos homens que sofreram abuso sexual são confrontados com muitas vezes um medo avassalador de "tornar-se um criminoso."

É uma observação dizendo que, de todos os possíveis "resultados" do abuso sexual de meninos (, tais como a depressão, ansiedade, flashbacks, dificuldades de relacionamento, sono perturbado, suicídio, postar angústia trauma, etc) o risco de ofensa sexual posterior é um dos mais pesquisado.

Esta página tem como objetivo fazer 3 coisas

  1. Resumir a melhor pesquisa disponível sobre a relação entre meninos’ e experiência de vitimização sexual dos homens, e os fatores que podem contribuir para um indivíduo cometer crimes sexuais.
  2. Examinar os efeitos ea influência da "vítima de offender" idéia na vida de homens e meninos que tenham sido submetidas a abuso sexual.
  3. Considerar as preocupações relacionadas ao comportamento sexualizado por crianças que foram abusadas sexualmente e que o problema de pensamentos abusivos e fantasias.

Reconhecemos que esta página web não pode fornecer uma avaliação definitiva da literatura sobre ofender sexual e experiências de vitimização. Todavia, esperamos de alguma forma para corrigir a falta de consideração do impacto da aceitação acrítica da idéia 'vítima-a-infrator' na vida dos meninos e homens que foram abusados ​​sexualmente.

1. O que a pesquisa diz sobre agressor sexual?

Assim, quem realmente comete crimes sexuais? O que esses infratores têm em comum?

É um erro, quando se considera o problema de ofender sexual, a concentrar-se imediatamente sobre a questão de saber se alguém tem uma história de abuso sexual. Há uma série de fatores que foram identificados como sendo ligado ao ofensor sexual, e há disputas entre os pesquisadores a respeito de qual delas é mais significativo. Por exemplo, alguns pesquisadores nos desafiam a olhar para o papel de sexo, dado que a esmagadora maioria dos que cometem crimes sexuais são do sexo masculino, com cerca 80% de meninos e 96% de meninas abusadas sexualmente por homens.

Há um comum, se inquietante, encontrar a partir da pesquisa sobre o papel dos masculinidade em agressor sexual. Homens que cometem abuso sexual têm muito em comum com os homens em geral, e tendem a se identificar com tradicional ou estereotipada ideais de masculinidade.

Também, quando se considera ofensivo sexual também é importante fazer uma distinção clara entre o agressor sexual deliberada como adultos, e casos em que as crianças apresentam comportamento sexualizado ou foram forçados a agir sexualmente em relação a outras crianças como parte de sua própria experiência de abuso sexual.

Pesquisa sobre o passado 40 anos identificou uma série de factores de risco que pode contribuir para a probabilidade de uma pessoa cometer crimes sexuais. Em comparação com a população em geral, adultos que cometem crimes sexuais contra as crianças tendem a:

  • Mostrar maior agressividade e violência, criminalidade não-violenta, raiva / hostilidade, abuso de substâncias, paranóia / desconfiança, e ter transtornos de personalidade anti-social diagnosticáveis.
  • Seja mais propensos a mostrar ansiedade, depressão, baixa auto-estima, e lócus de controle externo (Isto é. sentem que não estão no controle de, ou responsável, suas próprias ações).
  • Geralmente têm padrões sexuais mais problemáticos (incluindo fantasias e estratégias de enfrentamento sexualizadas).
  • Têm baixa habilidade social / competência, relatam mais sentimentos de solidão, mais dificuldades com relacionamentos íntimos, e falta de apego seguro.
  • Têm histórias mais pobres do funcionamento familiar, incluindo a disciplina mais severa, fixação pobre ou ligação, e, geralmente, pior funcionamento de sua família de origem, incluindo abuso físico, e abuso sexual.
  • Expressar atitudes mais tolerantes ao abuso sexual de crianças e minimizar a culpabilidade autores.

Como podemos ver a partir da lista acima, sendo abusadas sexualmente é apenas um de um número de factores a ser considerado quando se investiga agressor sexual.

Na verdade, resultados da pesquisa sugerem que a maioria dos homens que foram ofendidas sexualmente não abusada sexualmente.

Agora vamos passar a olhar especificamente para a pesquisa que analisa o ciclo de abuso. Ao fazê-lo, desejamos reiterar que, independentemente das questões de história pessoal, fatores de risco e questões de gênero: Cada indivíduo que comete abuso sexual tenha escolhido deliberadamente para fazê-lo. Não acontece apenas.

O que diz a pesquisa sobre o "ciclo de abuso 'e' risco 'de abusar?

Há pesquisas sugerindo que os meninos que tenham sido objecto de abuso sexual estão em maior "risco" de ofender mais tarde na vida do que os meninos que não têm.

É importante entender o que se entende por "risco mais elevado". Dizer que ser abusada sexualmente é um "fator de risco" para ofender mais tarde, não significa que "causas" mais tarde ofender.

Diagrama - Victim to offender cycle

Um estudo britânico analisou o comportamento ofensivo futuro de meninos que tinham sido abusados ​​sexualmente. Constatou-se que 88%, a vasta maioria, não continuar a cometer crimes sexuais.

12% dos homens que foram abusados ​​sexualmente na infância passou a cometer crimes sexuais. Esta é uma taxa significativamente maior de abuso sexual perpetrados do que pela população em geral de homens, e é um problema sério que precisa de cuidadosa investigação. Isso é o que entendemos por fator de risco - mas certamente não significa que os homens vão automaticamente para cometer abuso. Isto é demonstrado pela 88% quem não fez.

Análise Meta

Em 2009, dois pesquisadores norte-americanos publicaram um estudo que analisou 7 estudos sobre o "ciclo vítima-a-ofensor." Eles se concentraram em homens que tinham sido abusados ​​sexualmente na infância. Eles olharam para fatores que aumentaram ou diminuíram o risco de cometer um crime sexual (em crianças de ambos os sexos, adolescentes e mulheres adultas, ou ambas). Em geral, suas descobertas não sugerem que existe uma relação direta entre ser abusada e ofender. Apresentados a seguir de forma simplificada, são fatores identificados como aumentando o risco de ofender:

  • Masturbação, fantasia, e prazer ligado ao abuso.
  • Fisicamente abusadas (além de abuso sexual) na infância.
  • Testemunharam alta / muito graves índices de violência em casa de família na infância.
  • Abusada sexualmente por familiares e abusadores não-familiares.

Alguns outros fatores que têm sido propostas como aumentando o risco de ofender entre os meninos incluem: abuso físico, negligência e rejeição, testemunhando a violência doméstica na infância, e outros comportamentos nocivos, como a crueldade aos animais. Outra variável a ter em conta é que uma adequada, resposta favorável, no momento da divulgação pode diminuir a probabilidade de futuras comportamento ofensivo (Wilcox, Richards et ai., 2004).

Em todos os casos, os resultados são sobre 'alto risco,'Não' causa e efeito '

Image of the roots of a strangler fig Ao destacar a evidência de que alguns meninos submetidos a abuso sexual ter cometido crimes sexuais, é importante que não mais de generalizar e tratar tudo rapazes e homens que foram abusadas sexualmente como tendo um potencial para o futuro agressor. Um estudo de revisão antecipada do 'Ciclo de abuso sexual infantil' (encomendado pelo Escritório Geral de Contabilidade dos Estados Unidos, a pedido de uma comissão da Câmara dos Representantes dos EUA) encontrado tão pouca evidência para apoiar esta idéia de que eles descontados focando meninos abusados ​​sexualmente como uma forma eficaz de prevenir o abuso sexual futuro.

Não há dúvida de que todas as informações acima apresenta um quadro complicado. De certo modo, este é útil porque ilustra que existe nenhuma ligação direta entre abuso e abusando. Existem duas mensagens claras:

Sendo abusadas sexualmente não causar alguém ofender sexualmente.

A maioria dos meninos que são abusadas sexualmente não continuar a cometer abuso.

2. Os impactos sobre os homens da idéia vítima a agressor

Efeitos sobre os homens que foram abusadas sexualmente

Homens que sofreram abuso sexual comentar repetidamente sobre como preocupante a "vítima para agressor 'idéia é deles. O que ouvimos, repetidamente, é um ultraje absoluto sobre o horror do abuso sexual infantil. Ouvimos como angustiado eles estão na sugestão de que faria algo para prejudicar uma criança.

Contra a esta idéia, homens que foram abusadas sexualmente expressar muitas vezes um compromisso feroz para proteger e cuidar de crianças em sua vida. Não obstante, a idéia de "vítima para agressor" está lá fora na comunidade.

A idéia do ciclo 'vítima-a-infrator ":

  • causa sofrimento em seu próprio direito. Ela pára meninos e homens de divulgar o abuso sexual, devido ao medo de ser visto como um agressor em potencial. Mesmo que ele sabe ele não apresenta perigo, é provável que ele estar preocupado que outros, incluindo pessoas próximas a ele, vai vê-lo com desconfiança.
  • tem homens a sensação de que eles precisam estar constantemente em guarda, monitoramento de seus pensamentos e comportamentos, caso tenham sido "possuído." Os homens que foram abusadas sexualmente relatório estar muito consciente das idéias que eles possam ser "contaminado" ou experimentar o "efeito vampiro,'Por causa do que foi feito para eles.

A sugestão de um segredo, desejo oculto escondido no subconsciente pode levar uma pessoa a se envolver no monitoramento de alto nível de seu mundo interior de pensamentos e sentimentos, procurando sinais de "tornar-se um agressor em potencial '- algo que é desgastante e do qual não pode aparecer nenhuma fuga. Não é de surpreender que os homens podem tornar-se preso nessa dolorosa, auto-monitoramento interno, dado que "vigilância hiper 'do mundo exterior já lhes é familiar, algo desenvolvido como uma criança, como um meio para evitar o abuso sexual adicional (através do monitoramento constante do ambiente, do que está sendo dito, o tom usado, onde as pessoas são, consciência de possíveis sinais de perigo).

O medo de "tornar-se um abusador 'pára homens sexualmente abusadas de desenvolver relacionamentos íntimos, casar, ter filhos, tornando-se plenamente envolvidos na parentalidade, tomar banho ou trocar a fralda de seus filhos, jogar com ou entrar em contato com as crianças, de relaxar, e de confiar em si mesmos. Aqui estão dois relatos de homens como a vítima a idéia infrator tem impactado em suas vidas:

Um homem de 30 anos lembrou-se profissionais de audição conversando com sua família quando ele era 10 anos, após a divulgação de abuso sexual. O que ele foi preso com suas preocupações de que, porque ele tinha sido abusado ele iria se tornar um abusador. Ele diz: "Agora eu acho que o que eu ouvi sobre eles se preocupar comigo se tornar um abusador fez tanto dano quanto o próprio abuso. Eu estava com medo de ter filhos, no caso de o monstro esperando dentro apareceu. Foi só quando eu segurava minha filha que eu sabia que eu estava ok. Isso foi 17 anos de inferno desnecessário na minha cabeça. '

Um homem de 50 anos, no grupo de apoio abuso sexual dos homens, falou apaixonadamente sobre seu compromisso de viver uma vida baseada em não agredir ou abusar de outros, e de agir para ajudar as pessoas necessitadas. "Meu medo é que, se eu pegar a doença de Alzheimer ou algo, Eu vou esquecer todas essas coisas que são importantes para mim. Talvez então 'ele' vai sair e eu vou machucar ou abusar de alguém. "

Não são apenas os meios de comunicação populares e mitos públicas sobre o abuso sexual masculino que promove o ciclo de vítima a agressor. Como na primeira citação acima, alguns rapazes e homens têm encontrado profissionais bem-intencionados que estão mal informados sobre as ligações entre ser sexualmente abusada e sexual ofensivo. A pesquisa ea literatura clínica sobre os meninos e homens que foram abusadas sexualmente, nem sempre tem ajudado a matérias, incentivando conselheiros e terapeutas para interagir com homens que tiveram contato sexual não desejado, como abusadores potenciais (Ouellette, 2009).

Os psicólogos críticos Ruth Miltenburg e Elly Cantor publicou um artigo em 2000 sobre a forma como um monte de pesquisa psicológica tem um problema orientada foco que não leva em conta o fato de que "…Apesar das experiências terríveis, muitas pessoas, no entanto, ter sucesso na construção de uma vida satisfatória para si próprios. "Eles argumentaram que, a fim de entender como abuso infantil influencia as pessoas, precisamos realmente ouvir o que as pessoas dizem sobre as decisões morais que eles fazem para viver suas vidas. O que não tem sido objeto de pesquisa abrangente é o que influencia e suporta homens abusados ​​sexualmente na infância para melhor cuidar e proteger as crianças.

Algumas perguntas que um homem pode considerar

Para aqueles homens abusados ​​sexualmente na infância, ele pode ser útil para levar algum tempo para considerar como a idéia vítima-to-ofensor tem impactado em sua vida:

  • Será que o medo de abusar sido uma fonte de preocupação para você?
  • Como tem medo de abusar afetou a maneira como você se relaciona com as crianças em sua vida? Como isso tem afetado seu relacionamento com outras pessoas que estão perto de?
  • Se você é um pai ou cuidador, tem medo de abusar influenciados como você está confortável com a necessidade íntima, cuidar, sentimentos de amor para com seus filhos? Se assim, como?
  • Se você não é um pai, tem medo de abusar influenciado esta decisão de forma alguma?
  • Como você se comportaria de forma diferente em seus relacionamentos, se esse medo não foi um fator?
  • Se você se preocupar com a possibilidade de crianças sendo abusadas, e tomar medidas para proteger as crianças e evitar danos, o que poderia dizer sobre as suas intenções, sobre o tipo de pessoa que você está tentando ser?
  • Que valores são importantes para você em termos de como você acredita que as crianças devem ser tratadas?
  • Como você pode agir de acordo com esses valores de forma a promover uma maior segurança, cuidados e apoio para crianças? Como isso pode significar que você é diferente da pessoa que você abusou?

Por que essa idéia persistir?

Dado que a evidência é clara que a maioria dos meninos abusados ​​sexualmente não ir para cometer abuso sexual, como podemos explicar o poder duradouro e apelo dessa idéia de um ciclo de abuso? Vários autores têm sugerido algumas razões, incluindo;

  1. É uma explicação simplista. Dadas as realidades complexas e assustador de abuso sexual infantil, não é de estranhar que um puro, 'círculo' simples explicar por que essas coisas chocantes acontecer é reconfortante. É menos do que enfrentar a realidade de que algumas pessoas fazem uma escolha deliberada de abusar sexualmente de uma criança.
  2. Ele se encaixa perfeitamente com algumas velhas idéias de "contaminação" e "a mordida de vampiro."
  3. Se o "risco" está contida a um grupo de "outros" – homens que foram abusadas sexualmente - de que não somos um membro, então é menos confrontando-nos.
  4. Isso significa não ter que enfrentar as condições culturais que permitem o abuso sexual infantil acontecer. Se o abuso sexual pode ser explicada pela história de vida individual, não estamos confrontados para enfrentar mais um desafio, maiores fatores sociais, como a tentativa de explicar e abordar o fato de que a maioria dos crimes sexuais contra crianças são cometidos por homens.

3. Preocupações sobre abusando

Comportamento sexualizado como uma criança

Alguns homens e mulheres se lembrar e expressar a preocupação de que quando eram crianças ou jovens, eles iniciaram o contato sexual impróprio ou abusivo com os outros filhos depois que eles foram abusados ​​sexualmente. Alguns relatam que as crianças ou jovens que foram pressionados a fazer isso, a pessoa que ofendeu contra eles, às vezes ameaçando, coagir ou incentivá-los a fazer isso. Temos falado com adultos que acreditam estes comportamentos "provar" que eles são um risco futuro para os outros.

É importante fazer uma distinção entre adultos deliberadamente engajar-se em comportamento sexual abusivo e as ações de crianças ou jovens. Quando os jovens ou crianças experimentam um evento traumático sexualmente (que pode incluir uma instância de abuso sexual, ou viver em um ambiente abusivo), não é incomum que eles 'ato-out "- que os especialistas chamam Obviamente esse comportamento pode causar uma grande angústia e deve ser levado a sério" comportamento sexualizado reativa. ". Contudo, entende-se que as respostas das crianças a eventos traumáticos pode ser conduzido por confusão, angústia e tentativas impulsivas de "auto-acalmar ' (tentar controlar perturbadores pensamentos e sentimentos). Comportamento sexualizado trauma relacionado é muitas vezes de curta duração e pode ser resolvido quando uma criança ou jovem é oferecido apoio adequado (de um conselheiro ou um adulto responsável em suas vidas).

Em contraste, a maioria dos adultos que cometem abuso sexual são muito deliberada, planejado e calculado na forma como eles poderiam fazer isto. Enquanto alguns pesquisadores salientam o papel de oportunidade, abuso sexual não é provável que 'simplesmente acontecem. " (A exceção a isso pode ser para algumas pessoas que têm uma deficiência cognitiva / intelectual que pode levá-los a agir impulsivamente).

Se você reagiu ao ser abusado quando criança, agindo fora sexualmente, é compreensível que esta pode ser uma fonte de grande sofrimento para você agora. Também pode ser útil para que você possa encontrar um conselheiro informado para ajudar a entender o que ocorreu. Contudo, assumindo que este comportamento parado na infância, , por si só faz não significa que você vai cometer um crime sexual agora como um adulto.

Pensamentos e fantasias relacionadas à abusando

Homens abusadas sexualmente na infância relatório a ser afligida por pensamentos e fantasias sexualizadas, nomeadamente em matéria de causar dano a alguém. Todo mundo tem fantasias e pensamentos, incluindo pensamentos sexuais. Alguns desses pensamentos nos ajudar a sentir prazer e gozo sexual em relacionamentos saudáveis. Outros podem ser uma fonte de embaraço, vergonha, culpa, ou preocupação. Infelizmente, há tantas mensagens contraditórias e conflitantes sobre sexo que mesmo saudável, pensamentos sexuais não-abusivas podem levar as pessoas aflição.

Há uma diferença entre o que acontece em pesadelos e como nos comportamos quando acordado, entre fantasia e realidade. Todos nós temos pensamentos que realmente não agem sobre. Enquanto nós queremos desafiar a ideia de que todos os homens que foram abusadas sexualmente são "potenciais criminosos", nós também não queremos demitir quem está genuinamente preocupado com seus próprios pensamentos abusivos e potencial para cometer abuso sexual. A primeira coisa a dizer é: Se você estiver fazendo planos para criar uma situação de abusar sexualmente de uma criança ou qualquer outra pessoa, procurar ajuda adequado logo que possível, chamar uma linha de apoio, falar com alguém que pode ajudá-lo.

Se você está tendo pensamentos sexualizadas de abuso, estar preocupado com esses pensamentos é uma resposta melhor do que não se preocupar. Como vimos acima, fantasias abusivos sexualizadas (especialmente enquanto se masturbava) pode ser um dos fatores de risco para cometer abuso. É altamente provável que esses pensamentos e fantasias perturbar e angústia que você mesmo se você não tem intenção de agir sobre eles e, portanto, é importante que você obtenha ajuda profissional adequada de alguém que é familiar a trabalhar com homens que foram abusadas sexualmente.

Sugerimos ler as informações neste link para o website 1in6.org, para os homens que tiveram contato sexual indesejado: Eu estou indo para se tornar abusivo?

Referências

  • Ouellette, M. (2009). “”Algumas coisas são melhores quando não ditas”: discursos do abuso sexual de meninos.(Relatório).” Juventude: Jovens, Textos, Culturas 1(1): 67(27).
  • Miltenburg, R. e E. Cantor (2000). “Um conceito se torna uma paixão: Compromissos morais e para o desenvolvimento afetivo dos sobreviventes de abuso infantil.” Teoria & Psicologia 10(4): 503.
  • Richards, Papel AIC

 

9 Comentários

  1. Comment by megi

    megi Resposta Agosto 13, 2016 em 4:23 em

    I’m a female, and I was sexually abused as a child by my father. So many of the things written about here apply to me, especially such things as acting out sexually as a child and fear of becoming an abuser. I over heard people talking about thisvictim to offenderwhen I was little and so far throughout my life, I have been afraid to so much as stand near men that are older than me and even some my age. I also refrained from talking to at all children, out of fear that I might hurt them, Or that someone might think I was going to, But I love kids so much and I want to protect them and make them happy. Until finding this page I was planning on never having children and even maybe not having sex out of fear for what I might become. No entanto agora, I’m starting to believe, I might not turn into my own worst nightmare.

    • Comment by Jess [Viver Bem Staff]

      Jess [Viver Bem Staff] Resposta Agosto 19, 2016 em 11:10 em

      Hi Megi,

      Thanks for adding your thoughts to this page and sharing your experiences.

      I’m so glad to hear that his information has helped you a bit to overcome your fears. Please know that you are not alone in having these kinds of thoughts and concerns. I think the fact that you have been so worried about it shows how much you want to make sure any children in your life are safe and happy. That is a huge protective factor.

      The importance of being active in addressing the impacts of abuse and working to improve your life and relationships cannot be overstated. It sounds like you are working hard to do that (you wouldn’t be on this page otherwise!) so I really want to commend you for that. I know it is not easy, so this says a lot about your strength.

      Take care of yourself through all this.

  2. Comment by Jonno the Conqueror

    Jonno the Conqueror Resposta Agosto 29, 2016 em 4:20 pm

    There’s no such thing as the bite of the vampire. We all have choices and those who have been subject to abuse or those who haven’t have the same choices. Judgement can be clouded due to a variety of reasons but no reason excuses or justifies abuse. That’s why experienced counsellors such as Mike Lew refuse to allow abusers who were abused into group settings with survivors who have not offended, never the twain shall meet!

  3. Comment by Soulinavessel

    Soulinavessel Resposta Setembro 2, 2016 em 8:04 em

    I’m a female and me and my sister were molested by our brother. He did this from a young age (em torno de 10yrs de idade) especialmente com a minha irmã desde que ela era 5 anos mais jovem que ele e mais vulneráveis ​​onde, como eu era 3 anos mais jovem do que ele. Nós o tinha confrontado a cada vez que isso aconteceu e ele negaria no entanto, recentemente, confrontado ele e ele não só admitiu que o que ele fez, mas disse que a mesma coisa aconteceu com ele. Lembro-me de minha irmã me dizendo que ele queria penetrá-la no ânus e assegurando-lhe que não tomaria ferido. Como ele sabia disso e que o fez dizer uma coisa dessas? Alguém deve ter dito e feito a mesma coisa. Eu sinto pena para a criança ele era, mas como é que thay criança com medo transformar-se no monstro que ele teria sido uma vez com medo de? He also has said he forgives the family member and non family members who did this to him and cant see why we hate him. He even hangs out with the family memer who sexually traumatised him from a disturbingly young age. I will always want to save that child who was on his own and was silenced by these monsters, if this had not happened would he have been a normal? What baffles me is his disgust at being abused yet lack of empathy to us who he has abused with the intention of doing the same damage and attempting to repeat what happened to him. This is something that will never leave me, it haunts me more than my own abuse. I will be extra vigilant with my children and anyone near them, I’d rather be paranoid than sorry.

    • Comment by Soulinavessel

      Soulinavessel Resposta Setembro 2, 2016 em 8:10 em

      I don’t have children, I meant in the future. Although I’m attracted to men I find it hard to visualise or find pleasure it the thouhght of being intimate. I hope I get over this as I would love a family of my own too see what childhood should be and to raise beautifully kind people.

      • Comment by Jess [Viver Bem Staff]

        Jess [Viver Bem Staff] Resposta Setembro 2, 2016 em 12:11 pm

        Soulinavessel, Obrigado por entrar em contato. I am so sorry to hear that you and your sister were sexually abused, and of the lack of empathy and support your brother has shown to you since.

        We know that it can be particularly difficult for someone who has been sexually abused themselves to understand a situation like your brother’s. When someone who has been abused themselves goes on to abuse and hurt another child, when they know how distressing and painful it is, it just doesn’t seem to make sense.

        It must be particularly difficult to hear your brother is now in contact with the people who abused him, yet does not understand your negative feelings. I would not presume to know what is going on inside your brother’s head, and why he is making the choices he is. It is understandable that you would hate the person that assaulted your brother, in light of the fact that he then went on to abuse you. I can see how you could say that it was your brother’s abuser that then ‘caused’ you to be sexually abused.

        I am not sure if your brother has thought of it this way, or thought of how his continued contact with the person who abused him is hurtful and upsetting to you and your sister, given the distress and pain you have subsequently suffered. Some people who have experienced sexual abuse, and then gone on to commit sexual abuse themselves, may minimise or wish to deny the suffering the abuse has caused them or others. This could be thought of as a way to make sense of it in his mind in order to operate in the world. It can be too personally and emotionally confronting otherwise, so the person will just shut down emotionally and distance themselves from the person that they sexually abused.

        When sexual abuse occurs within families it can often be much more confronting and painful. Unlike when the attack is committed by a stranger, you are confronted by the presence or knowledge of the person who abused you in an ongoing basis. This is why some people will distance themselves from the familyin order to protect themselves.

        I hear that one of the important supports you have is your sister, and that you have been there for each other. It is dreadful that you and your sister have had to go through this, and that your brother’s denial has caused ongoing hurt. It is completely understandable that you would be watchful and want to make sure children are safe. It’s also understandable that it is difficult for you to visualise being intimate with a man, or that it could bring pleasure.

        It is a testimony to the kind of person you are, and want to be, that you speak of the importance of raising children in a safe, cuidar, beautiful environment. I would encourage both of you to find a good counsellor who can assist you to better manage in the present, and build the positive supportive lives you deserve.

        I hope my response assists in some small way in encouraging you to continue to prioritise your well being. I wish you the best.

  4. Comment by Pamra Olson

    Pamra Olson Resposta Setembro 28, 2016 em 9:17 em

    My brother two weeks ago was arrested and confessed to molesting his 7 year old great granddaughter. Her mother came forward and stated that he molested her when she was around the same age and that the relationship continued until around three months ago. We come from a very abusive childhood, my sister and I were abused when we were 6 e 4 by a baby sitter, and the abuse continued from there. Our stepfather, seus amigos, fathers of the kids we babysat for and my brother. We were also physically abused everyday with beatings for the slightest offense. My brother who is the oldest was abused by a man he worked for when he was 12, before that he was abused by Uncles and was sexualized by porn from my step father. The pedophilia came as the biggest, most amazing surprise of my life. I thought I was going to die from the shock! He of course always denied his abuse as an adult while my sister and I accused, proclaimed and requested validation only to be told repeated that we were liars. Now we are validated, he is talking about his abuse, apologising for what he did to us his sisters and accepting the consequences. He told me in the 1st phone conversation since I learned about him that the truth is that he has molested all of his Granddaughters and Great Granddaughters and that one was angry because she couldn’t have candy for breakfast and told on him, this is the only one he has confessed to. My brother grew up to be one of those men I hate and I am so stuck on the fence because I love him also and it tears me apart. He told me that he developed these urges when he was a teen around 15. He admitted to molesting a girl he babysat for. He has molested two generations of girls in his family, I know he is a groomer, I know he is very sick. I know he desperately needs help but he most likely won’t get it in the Prison System, and I am so worried that he will be killed in prison because we all know what happens to pedophiles in prison. It has been so heart breaking to try to wrap my head around all of this, do I report regarding the other girls? Will they get help if they aren’t reported I am so torn. He will go to prison for ever if it comes out that he molested 10 girls over 24 anos. As an abuse survivor I am one of those girls! I feel like I have lost my innocence again. I have a supportive husband, therapist and psychiatrist so I know I am going to get through this. I have had the rug pulled up from under me and I am still waiting to hit the ground. Do you ever really know somebody?

  5. Comment by Susan

    Susan Resposta Setembro 30, 2017 em 9:38 em

    Where might I find the most recent United States Statistic Report on The Cycle of Abuse? (Masculino & Feminino)

    • Comment by Jess [Viver Bem Staff]

      Jess [Viver Bem Staff] Resposta Outubro 4, 2017 em 9:13 em

      You would need to search a research journal database for any recent statistics. I would suggest visiting your local university library, or failing that, Google Scholar.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Close
Go top